Seja bem-vindo(a)!!!

Obrigada por acessar o blog. Fique à vontade para deixar comentários.

Divirta-se!

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Eu vou desdizer aquilo tudo que eu lhe disse antes...*

Quando me diziam que ter um filho muda tudo eu não tinha a menor idéia do que isso significava. Claro que eu imaginava que cuidar de uma criança demandava tempo e dedicação,  mas não imaginava o impacto subjetivo que ser mãe teria na minha vida.
Sempre fui muito curiosa, gosto de ler e estudar e mesmo antes de estar grávida lia muito sobre o assunto. Conversava com outras mães e tinha um monte de idéia e coisas planejadas na minha cabeça.
Ia amamentar exclusivamente,  se não rolasse daria mamadeira. Assim, sem stress. Aí o menino nasceu,  o leite não desceu e eu comecei a chorar copiosamente porque não queria deixá - lo com fome, mas também não queria dar mamadeira, pois o leite materno é o melhor alimento pro bebê.
Eis o primeiro drama da maternidade: a realidade nem sempre corresponde à nossa expectativa. Mamou, engordou e tocamos a vida. Chegou a hora de planejar o retorno ao trabalho. Sempre valorizei trabalhar,  ter meu dinheiro... Ele ia ficar no berçário,  como vários outros bebês. É normal. Mães trabalham fora. Certo?
Pois é,  só de imaginar meu pequeno sendo apenas mais um bebê do berçário meu coração doía. Perdi o sono e comecei a ficar cabisbaixa, angustiada.
Conversando com as pessoas mais próximas percebi que nesse momento a prioridade é ficarmos um com o outro. O resto pode esperar.
Se tem uma coisa que a gente aprende quando se torna mãe é essa: priorizar.
E a vida vai ficando mais simples, por mais complicado que isso pareça.
Por aqui tudo vai mudando a cada dia. As perspectivas mudaram, os interesses também. Mas ainda gosto de chocolate,  café e livros. ;)


*O título do post é uma referência a música Metamorfose Ambulante de Raul Seixas.