Seja bem-vindo(a)!!!

Obrigada por acessar o blog. Fique à vontade para deixar comentários.

Divirta-se!

segunda-feira, 30 de maio de 2016

O quarto de Jack

Essa última semana foi punk. Luto na família, tristeza profunda pela violência que parece não ter limites, descrença com a situação política do país e um resfriado pra acabar com qualquer resquício de ânimo que eu ainda tivesse. Como os planos de passear no final de semana arruinados, o jeito foi ficar em casa para me recuperar e ajeitar as coisas por aqui.
Mas tudo na vida tem seu lado positivo, mesmo quando as coisas parecem sem solução. É exatamente sobre isso que se trata o filme o quarto de Jack (Room, 2015).

Sinopse: 

Joy (Brie Larson) e seu filho Jack (Jacob Tremblay) vivem isolados em um quarto. O único contato que ambos têm com o mundo exterior é a visita periódica do Velho Nick (Sean Bridgers), que os mantém em cativeiro. Joy faz o possível para tornar suportável a vida no local, mas não vê a hora de deixá-lo. Para tanto, elabora um plano em que, com a ajuda do filho, poderá enganar Nick e retornar à realidade.


Joy consegue transformar o quarto em um mundo pra Jack, mesmo com recursos limitados e diante de todo o sofrimento que ela enfrenta. A atuação de Jacob é apaixonante e fiquei com vontade de apertar o Jack várias vezes durante o filme. Entrou pra minha lista de dramas emocionantes. Recomendo.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã...


A vida anda corrida. Talvez o ritmo frenético de cuidar de duas crianças pequenas e manter a vida doméstica minimamente organizada estejam contribuindo pra esse sentimento de que o tempo está voando. 
Planejo passar os momentos finais do dia curtindo meus amados, mas na maioria das vezes, já estamos tão cansados que adormecemos sem perceber. É uma fase, eu sei. Mas gostaria de ter mais tempo ao lado dos que amo. Mais tempo antes que meus pequenos cresçam, mais tempo antes que o feriado termine e que o passeio e as brincadeiras dêem lugar a rotina massacrante.
A vida é um sopro e às vezes termina sem que tenhamos tido tempo pra aquele telefonema ou pra aquele reencontro que estamos planejando há tempos. Hoje eu gostaria de ter mais tempo...

terça-feira, 24 de maio de 2016

Envelheço na cidade

Sempre gostei de fazer aniversário. Receber Abraços, telefonemas e mensagem me alegram e fazem sentir especial. Geralmente celebro com a família e amigos. Mesmo sendo uma dia agradável, existe uma certa ansiedade no ar. Acabo criando expectativa em relação a quem irá lembrar de me felicitar ou virá na comemoração. Esse foi meu primeiro aniversário como mãe de duas crianças. Não criei expectativas. Apenas aproveitei o dia. Li cada mensagem carinhosa com satisfação, almocei com minha família e passeamos com os meninos no parque. Senti profunda alegria de ver meu pequeno se divertindo, mas também uma pontinha de nostalgia ao pensar que não muito tempo atrás a criança era eu e que logo eles não serão mais crianças também.
Fiquei feliz com cada palavra e demonstração de afeto que recebi ontem, mas também fiquei com o coração pequenininho de saudade e vontade de reencontrar pessoas tão amadas que estão distantes ou que não vejo a algum tempo. Como diria Zeca Baleiro: "A saudade é prego parafuso, quanto mais apertar, tanto mais difícil arrancar..."