Seja bem-vindo(a)!!!

Obrigada por acessar o blog. Fique à vontade para deixar comentários.

Divirta-se!

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Dois aninhos!

Dandan,
Esse mês você completou dois anos de vida. Posso dizer que completei dois anos da minha nova vida também. Desde que você nasceu, convivemos intensamente. Passamos vários dias e noites ao lado um do outro. Fomos nos conhecendo e aprendendo a nos entender. Ainda me esforço pra compreender seu vocabulário, que está aumentando diariamente, mas já temos uma comunicação que vai além das palavras.
Como você está crescendo rápido! Já consegue fazer várias coisas sozinho, conta caso e mostra sua personalidade e preferências a todo instante. Já tem seus próprios amigos e cativa todos a sua volta com sua alegria e energia.
Eu também aprendi muitas coisas com você, meu amor. Aprendi a priorizar, a pedir ajuda, a cuidar de outra pessoa, mesmo quando eu não estou legal. Aprendi a curtir as pequenas conquistas e olhar mais atentamente as coisas simples.
As vezes brigamos e nos chateamos um com o outro. Mas depois nos entendemos novamente e buscamos aconchego num abraço que de tão gostoso poderia durar pra sempre.
Sinto muito orgulho de você, Daniel. Me sinto muito privilegiada e feliz por ser sua mãe. Desejo que sua vida seja linda e feliz e que você se torne uma pessoa boa. Você me faz uma pessoa melhor.
Parabéns, meu bem.
Te amo muito!


segunda-feira, 4 de abril de 2016

O Nascimento de uma Flor: Relato de Parto Natural Humanizado


Desde que Daniel nasceu, há quase dois anos, venho me interessando e buscando cada vez mais informações sobre a situação obstétrica do Brasil e o parto humanizado. Infelizmente, ter um parto normal hoje em dia não é algo tão comum no nosso país e quando ele acontece, geralmente, vem acompanhado de um monte de intervenções desnecessárias, dolorosas e traumatizantes. 

À medida que fui me aprofundando no assunto, percebi que, apesar de ter tido um parto normal, como desejava, gostaria que muitas coisas fossem diferentes se tivesse a chance de ter outro filho.


Assim que decidimos encomendar um segundo baby comecei a pesquisar diariamente sobre parto natural humanizado e a discutir com o marido sobre o que desejávamos para esse momento. Optei por fazer meu pré-natal em uma maternidade do SUS, que é referência em parto humanizado no Brasil

A gestação da nossa Lis foi tranquila. Além de ler muitos textos sobre parto, fizemos um plano de parto e eu fazia massagens, escalda pés, homeopatia, aurículo e ventosaterapia para me preparar para o grande momento. 

No início de março, com 37 semanas de gestação, comecei a sentir algumas contrações irregulares, que se estenderam por três semanas. Já  estava cansada de alarmes falsos e torcia para que ela nascesse antes de 41 semanas, quando tentaríamos induzir o trabalho de parto.

Fui à consulta no dia 28/03, já com 40 semanas, e pedi que a enfermeira fizesse um descolamento de membranas, pois esse é um procedimento não farmacológico, feito através do toque e que estimula o início do trabalho de parto. Saí do consultório já com 4 cm de dilatação e confiante que estava chegando a hora. Fiz as terapias integrativas nos dois dias que se seguiram, ainda sem sinais de trabalho de parto.

No dia 30/03 acordei sentindo uma cólica fraca, que permaneceu ao longo do dia. Saí para passear com a família e pedi para que meu pai viesse para a nossa casa, pois ele cuidaria do Dandan quando fôssemos para maternidade.

Passamos um dia agradável conversando e brincando com o pequeno. Fui me deitar sem nenhum outro sinal, mas tinha a sensação de que Lili não demoraria a chegar. Rezei, pedindo a Deus que tudo corresse bem e adormeci.

Acordei às duas da manhã, sentindo contrações a cada três minutos. Ainda estava doendo pouco. Acordei meu marido e meu pai e me arrumei. Colocamos as malas no carro, dei leite, troquei a fralda e coloquei Dandan na cama novamente. Às quatro horas saímos de casa. Nesse momento, as dores começaram a ficar mais fortes. 

Às quatro e quinze, assim que chegamos à maternidade, as dores se intensificaram. Não conseguia mais conversar durante as contrações e comecei a sangrar.

Fizemos a ficha e ficamos aguardando na recepção. Di fazia massagem e conversávamos entre uma contração e outra. Às 6 horas fui internada com mais de 8 cm (quase 9) de dilatação. Fiquei feliz em saber que o trabalho de parto já estava avançado, mas receosa de não conseguir vaga na casa de parto, onde desejava ter nosso bebê. A equipe se mobilizou e providenciou a o quarto a tempo, pouco antes das 7 da manhã. 

Chegando lá, fui direto para a banheira. A água morna tem um efeito surpreendente no alívio da dor e eu chegava quase a adormecer no curto intervalo entre as contrações. Di massageava meus ombros e pescoço e Luísa, enfermeira obstetra, vinha frequentemente verificar os batimentos do bebê. Eu alternava de posição dentro da banheira e respirava fundo, pensando que tudo estava correndo como sonhamos e que não demoraria muito para ter nossa filha nos braços.






Não sei exatamente quanto tempo fiquei ali, mas depois um tempo comecei a sentir uma vontade incontrolável de fazer força. A dor ficou mais forte e a enfermeira sentou-se num banquinho à minha frente, dizendo que ficaria conosco até o nascimento. 

A bolsa estourou naturalmente dentro da banheira. Nesse momento as contrações estavam mais próximas. Já não conseguia conversar nos intervalos, apenas ficava de olhos fechados respirando fundo. Senti que ela estava bem baixa, passando pela pelve.

A dor durante as contrações era intensa, sentia também uma queimação nas pernas e no períneo. Já era possível ver a cabeça da bebê. Luísa me ofereceu o espelho, mas não consegui ver. Me disse para segurar minhas pernas nas próximas contrações. Pensei que ainda demoraria mais ou menos meia hora até conhecer a nossa pequena. Pra minha surpresa, senti a queimação aumentar e uma pressão forte no períneo. Não conseguia controlar a respiração, gemia alto e senti sua cabeça sair. Ouvi o choro do meu marido e Luísa disse que eu estava indo muito bem, que estava quase acabando. 

Duas contrações depois, nossa flor chegou ao mundo, às 9h08min do dia 31 de março de 2016. Veio direto pro meu colo. 



Esperamos o cordão parar de pulsar antes do papai cortá-lo com ajuda da Luísa. Logo depois ele a pegou e eu fui para a cama para dequitar a placenta e receber alguns poucos pontos. Lili voltou pro meu colo e ficou comigo até eu terminar de receber os cuidados. 

Luísa me mostrou minha placenta conforme eu havia pedido e então fui tomar banho, enquanto Lis foi ser examinada e pesada, acompanhada do papai.  3.470g de fofura e 51 cm de lindeza. Voltou linda e quentinha e ficou conosco desde então.

Alguns fatores foram essenciais para que nós tivéssemos um parto natural humanizado:


- Informação: Existem muitos mitos em relação à gravidez, crianças que "passam da hora" e parto. É essencial ter  paciência, informação adequada e confiável.

- Apoio da família: Meu esposo Edmilson sempre me apoiou em todos os momentos, esteve ao meu lado durante todo o trabalho de parto e se informou junto comigo. Meu pai também me deu todo apoio, além de cuidar do nosso pequeno na nossa ausência. Obrigada, amores!

- Profissionais humanizados: É essencial que os profissionais que nos atendem estejam atualizados em relação as práticas de parto humanizado e baseiem sua prática em evidências científicas.

Ficamos completamente felizes e satisfeitos pelo excelente atendimento que recebemos de todos os profissionais do hospital Sofia Feldman, tanto durante o pré natal quanto durante o parto e pós parto. 

Sei que cada pessoa tem um percurso e uma experiência singular, mas a nossa experiência foi muito positiva. Confesso que tinha um pouco de preconceito com esse hospital antes de conhecê-lo, mas mudei totalmente minha visão e recomendo que, se você está grávida ou conhece alguma gestante, faça uma visita ao Sofia e veja com seus próprios olhos. Eu adorei. 

Agora, mais ainda, sou uma defensora do parto ativo, no qual as gestantes fazem suas escolhas e recebem apoio e informação adequada dos profissionais. 


Independente do desfecho (parto normal ou cesárea), é importante que nós estejamos cientes dos procedimentos e possamos fazer nossas escolhas de forma responsável.